Vila de Cano
Diário de Uma Seca de Terra
31 de Agosto de 2005

tas aqui tas ca moca. tas tas.. este encontra-se na azervadinha. ali pros lados de Coruche..
publicado por M!ro às 00:57 link do post
30 de Agosto de 2005

eu sei que isto tem andado parado (ah ah ah, belo trocadilho) mas a verdade é que fui de ferias.. estive no brasil e so agora voltei.. para começar aqui fica uma taverna ali para os lados das Faias que para quem não conhece é no concelho do montijo. Coitados dos Amigos.. Vai lá um gajo almoçar e come gato por lebre.. livra.
publicado por M!ro às 01:52 link do post
22 de Agosto de 2005

Não tenho nada para dizer. Nada mesmo.
publicado por M!ro às 22:56 link do post
16 de Agosto de 2005

in Publico de 11-08-2005 de autoria de Paulo Varela Gomes.. acho interessante e resolvi partilhar:

"O território português que está a arder - que arde há vários anos - não é
um território abstracto, caído do céu aos trambolhões: é o território
criado pelo regime democrático instalado em Portugal desde as eleições de
1976 (a III República Portuguesa). Está a arder por causa daquilo que o
regime fez, por culpa dos responsáveis do regime e dos eleitores que
votaram neles.
Ardem, em Portugal, dois tipos de território: em primeiro lugar, a floresta
de madeireiro, as grandes manchas arborizadas a pinheiro e eucalipto. A
floresta arde porque as temperaturas não param de subir e porque, como toda
a gente sabe, está suja e mal ordenada. Não foi sempre assim: este tipo de
floresta começou a crescer nos últimos 50 anos, com a destruição
progressiva da agricultura tradicional, ou seja, com a expropriação dos
pequenos agricultores, obrigados em primeiro lugar a recorrer à floresta
pela ruína da agricultura, para, depois, perderem tudo com os incêndios e
desaparecerem do mapa social do país. Também isso está na matriz da III
República: ela existe para "modernizar" o país, o que também quer dizer
acabar com as camadas sociais de antigamente, nomeadamente os pequenos
agricultores. Em 2005, os distritos de Portalegre, Castelo Branco e Faro
ardem menos que os outros e não admira: já ardeu aí muita da grande mancha
florestal que podia arder, já centenas de agricultores e silvicultores das
serras do Caldeirão ou de S. Mamede perderam tudo o que podiam perder.
O segundo tipo de território que está a arder, em particular neste ano de
2005, é o território das matas periurbanas, características dos distritos
mais feios e mais destruídos do país: os do litoral Centro e Norte. Os
citadinos podem ver esse território nas imagens da televisão, a arder por
detrás dos bombeiros exaustos e das mulheres desesperadas que gritam
"valha-me Nossa Senhora!": é o território das casas espalhadas por todas as
encostas e vales, uma aqui, outra acolá, encostadas umas às outras, sem
espaço para passar um autotanque, separadas por caminhos serpenteantes, que
ficaram em parte por alcatroar - é o território das oficinecas no meio de
matos de restolho sujo de óleo, montanhas de papel amarelecido ao sol,
garrafas de plástico rebentadas. É o território dos armazéns mais ou menos
ilegais, cheios de materiais de obra, roupas, mobiliário, coisas de
pirotecnia, encostados a casas ou escondidos nos eucaliptais, o território
dos parques de sucata entre pinheiros, rodeados de charcos de óleo, poças
de gasolina, garrafas de gás, o território dos lugares que nem aldeias são,
debruados a lixeiras, paletes de madeira a apodrecer, bermas atafulhadas de
papel velho, embalagens, ervas secas. É o território que os citadinos,
leitores de jornais, jornalistas, ministros, nunca vêem porque só andam nas
auto-estradas, o território, onde, à beira de cada estradeca, no sopé de
casa encosta, convenientemente escondido dos olhares pelas silvas e os
tufos espessos de arbustos, há milhares - literalmente milhares - de
lixeiras clandestinas, mobília velha, garrafas de plástico, madeiras de
obras (é verdade, embora poucos o saibam: o campo, em Portugal, é muito
mais sujo que as cidades).
Este território foi criado, inteiramente criado, pela III República. Nasceu
da conjugação entre um meio-enriquecimento das pessoas, que, 30 anos depois
do 25 de Abril, não chega para lhes permitir uma verdadeira mudança de
vida, e o colapso da autoridade do Estado central e local, este regime de
desrespeito completo pela lei, que começa nos ministros e acaba no último
dos cidadãos. É o território do incumprimento dos planos, das portarias e
regulamentos camarários, o território da pequena e média corrupção, esse
sangue, alma, nervo da III República.
É evidente que a tragédia dos campos e das periferias urbanas portuguesas
se deve também ao aumento das temperaturas. Para isso, o regime tão-pouco
oferece perspectivas. De facto, seria necessário mudar de vida para
enfrentar o que aí vem, a alteração climatérica de que começamos a
experimentar apenas os primeiros efeitos: por exemplo, seria necessário
reordenar a paisagem, recorrendo à expropriação de casas, oficinas,
armazéns, sucatas. Seria necessário proibir a plantação de eucaliptos e
pinheiros. Na cidade, pensando sobretudo nas questões relativas ao consumo
de energia, seria necessário pensar na mudança de horários de trabalho,
fechando empresas, lojas e escolas entre o meio-dia e as cinco da tarde de
Junho a Setembro, mantendo-as abertas até às oito ou nove da noite, de modo
a poupar os ares condicionados - cuja factura vai subir em flecha.
Modificar os regulamentos da construção civil, de modo a impor pés-direitos
mais altos, menos janelas a poente, sistemas de arrefecimento não
eléctricos.
Para alterações deste calibre - que são alterações quase de civilização -,
seria preciso um regime muito diferente deste, um regime de dirigentes
capazes de dizer a verdade, de mobilizar os cidadãos, de manter as mãos
limpas.
Vivo no campo ou perto do campo, na região centro, há já alguns anos. Há
três Verões que me sento a trabalhar, enquanto a cinza cai de mansinho no
meu teclado, em cima dos meus livros, no chão que piso.
Não tenho culpa do que é hoje este país e o regime que o representa:
militei e votei sempre em partidos que apregoavam querer outro tipo de
regime e deixei de militar e de votar quando vi esses partidos tornarem-se
tão legitimistas como os outros.
Espero um rebate de consciência política por parte destes políticos, ou o
aparecimento de outros. Faço como muitos portugueses: espero por D.
Sebastião, desempenho a minha profissão o melhor que posso, e penso em
emigrar.
Historiador (Podentes, concelho de Penela)
(do Público, 11-08-05)
publicado por M!ro às 02:18 link do post
11 de Agosto de 2005

podem ver o cartaz no Blog dos Cavaleiros do Àlamo
publicado por M!ro às 01:43 link do post
09 de Agosto de 2005


Podem visitar em ad-awards.com eu acho que vale a pena.
publicado por M!ro às 03:15 link do post
09 de Agosto de 2005

descobri este blog/site atráves do souselense. é muito interessante. ( para quem gosta destas coisas) podem visitar que vão certamente achar algo de que vão gostar.
eu numa vida passada fui um lindo Guerreiro . aha ha ha ah..

In a Past Life...

You Were: A Gorgeous Warrior.

Where You Lived: India.

How You Died: Buried alive.
Who Were You In a Past Life?
publicado por M!ro às 02:49 link do post
05 de Agosto de 2005

esta noite à meia noite os termometros marcavam esta temperatura.. por isso o país está a arder..
publicado por M!ro às 18:58 link do post
02 de Agosto de 2005

hoje recebi este mail.. fui uma vez ao site do tiago monteiro e deixei lá um comentario.. ele foi boa pessoa e até me agradeceu.. podem visitar em http://www.tiagomonteiro.com/


Terminou em 13º lugar o 13º Grande Prémio consecutivo

Muito calor e uma pista difícil e muito escorregadia, obrigaram Tiago Monteiro a um cuidado especial para levar até ao final o seu Jordan EJ 15 Toyota, conseguindo novamente superar as dificuldades criadas por outros pilotos e que o obrigaram a uma paragem suplementar nas Boxes e também a perder o contacto com o pelotão.

O piloto português realizou novamente uma excelente partida, mas ao chegar à travagem para a primeira curva foi tocado pelo Minardi de Christian Albers que seguiu em frente, batendo no Jordan Toyota nº18 obrigando o português a ir às boxes logo de seguida para reparar os danos, ficando com a sua prova desde logo comprometida. Tiago Monteiro terminou o Grande Prémio da Hungria no 13º lugar e mantém a 14ª posição no Campeonato do Mundo, liderando a posição nesta tabela entre os pilotos que se estão a estrear este ano na disciplina.

Terminar todas as corridas do Mundial tem sido um facto muito comentado na Formula 1, principalmente quando o piloto português consegue superar dificuldades inerentes a este desporto, como o que aconteceu na Alemanha e agora na Hungria, em que Tiago Monteiro não consegue evitar os toques que leva dos seus adversários e que o impediram de alcançar ainda melhores resultados. Apesar disso, foi notório o empenhamento de Tiago Monteiro até cortar a meta.

Apesar de partir do último lugar da Grelha de Partida, Tiago Monteiro voltou a impressionar: “Fiz um excelente arranque, passei os dois Minardis e o Narain e na travagem estava a ir por fora já a passar o Villeneuve, mas o Albers bateu no meu carro e furou o meu pneu traseiro direito, ele tinha já sido empurrado pelo Webber. Tive de vir às boxes mudar o pneu mas não reabasteci porque o regulamento não permite e por isso perdi logo uma volta. A partir dessa altura forcei o mais possível para recuperar algum tempo ao Narain e ao Albers, sempre a atacar, como se pode verificar pelos tempos feitos durante a corrida,” explicou Tiago Monteiro após a corrida realizada sob um forte calor.

“O carro estava bom, teve um bom comportamento, os pneus não foram problema e neste ponto estou muito satisfeito. A equipa confirmou o contrato com a Toyota para 2006 o que é muito importante, e o recrutamento do Johnny Herbert pode ser muito positivo, mas ainda está a conhecer a equipa”, Concluiu Tiago Monteiro, o piloto português que está a deixar marcas muito positivas na Formula Um.
publicado por M!ro às 01:52 link do post
01 de Agosto de 2005


Este fim de semana foi Produtivo . vejam só estes três lindos exemplos que encontrei ..


Nos cinemas Uci do El Corte Inglés. Fez-me lembrar aqueles mails que ai circulam por causa do Linux.



uma etiqueta de roupa de criança. Para aqueles que costumam colocar a Roupa no lume. esta não podem



e uma ainda melhor.. Agora virei estilista.. espectaculo eu nem sabia.


publicado por M!ro às 03:18 link do post
Agosto 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
subscrever feeds
Posts mais comentados
9 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
3 comentários
Twitter
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Fotos
fotos Miro
últ. comentários
Caro amigo Miro,como é que se chama este novo desp...
Este bebê fantástico! e também o desenho é maravil...
PARABENS AOS MOTARDS POR ESTE EVENTO,QUE TENHAM O ...
mt boa fonixxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
huhu
www.jogosdemalha.com.br
Oh pá o q eu me ri a rever esta publicidade. Esta...
então qundo respondemos a carta do tribunal de co...
GANHE DINHEIRO FÁCIL, NA MAIOR MOLEZA, HONESTAMEN...
Boas noites,agradecemos o destaque dado ao Jornal...
blogs SAPO